quarta-feira, 5 de Março de 2008

Expulsão - o que realmente acontece

Todas as incertezas sobre o que iria passar-se, se sentiria dores e se seriam fortes, qual seria a aparência do que seria expulso, conseguiria eu perceber o que era o feto, e se teria que de facto vê-lo – estas foram as questões que me invadiram a mente durante aquelas semanas em que aguardei a reacção do meu corpo.

Quanto tempo entre o diagnóstico e a explusão?
Da investigação online que fiz, pode demorar de entre 4 a 6 semanas. E durante este período, temos que ser muito bem monitorizadas, para o caso de começar a haver infecção. No meu caso, a expulsão aconteceu três semanas e meia depois da evolução do feto ter parado. Isto pode saber-se pela dimensão com que o feto ficou, e associar facilmente ao tempo de gravidez. Durante aqueles 25 dias, perguntei aos médicos que se cruzaram no meu caminho como seria. Só me disseram sempre que era uma hemorragia forte e que podia causar dores. Uns diziam “algumas” dores, outros diziam “muitas” dores.

As dores
Pelo que percebi posteriormente, a experiência varia com a mulher. Há mulheres que pura e simplesmente abortam de um momento para o outro, têm uma grande hemorragia e está resolvido. Muitas nem sequer chegam a saber que estavam grávidas e pensam que tiveram apenas um período forte. Sei de uma senhora que simplesmente sentiu uma cólica no meio de uma viagem de carro, foi ao quarto-de-banho, teve uma hemorragia, a sogra explicou-lhe o que tinha sido, e seguiu viagem... Outras sabem que estão grávidas e começam a sangrar, até que têm a expulsão alguns dias ou semanas depois, mesmo após muito repouso. Umas sentem pouca dor, outras sentem muita. E isso depende, segundo me explicaram os médicos, do tempo de gravidez e da resistência à dor de cada mulher. A enfermeira da MAC foi a única que não teve rodeios e garantiu-me que teria muitas dores. E tinha razão...

Para o caso de assim ser, e porque na verdade nunca sabemos, convém prevenirmo-nos. Eu perguntei ao médico se poderia tomar algo para as dores, e ele indicou-me Ben-u-ron. Que veio a revelar-se uma bênção.

Quando o momento chega
Depois de 25 dias sem quaisquer sintomas a não ser a hemorragia que me provocou o cytotec, e que desde aí nunca parou totalmente, e da ligeira moínha no baixo ventre, semelhante aos sintomas do período, uma noite comecei a sentir a moinha a aumentar, lentamente, até já ser uma dor, mas perfeitamente suportável. Nessa altura, achei por bem chamar alguém para perto de mim, já que nessa noite estava sozinha. Convém prevenir, para o caso de ser necessário ir ao hospital.
É difícil explicar a sensação daquelas cólicas, mas tem-se vontade de ir ao quarto-de-banho expelir. Das primeiras vezes foi saindo muito sangue, muito grosso, escuro, do tipo coágulos e uma matéria que só me faz lembrar elásticos. E numa dessas vezes, algo ficou preso. Puxei com papel e vi uma espécie de coágulo de sangue escuro em forma de rim. Achei por bem não ser eu a ver melhor, pois poderia impressionar-me, e pedi à minha mãe, que confirmou que era o feto, com cerca de 2 cm.
Naquele momento não posso dizer que tenha sido um grande choque, foi sim um momento de alívio. O aborto retido pode ser complicado de aceitar de início, dada a ausência total de sintomas, mas o tempo de espera dá-nos tempo que aceitar o facto e reagir à expulsão com mais naturalidade. Porque sabemos que naquele momento, o nosso corpo está a fazer o que é melhor para nós, para a nossa saúde.
Ainda continuei a expelir bastante sangue depois disso, mas as cólicas acalmaram. E eu achei que afinal não era tão doloroso como eu pensava.
Mas estava enganada. Porque nos quatro dias seguintes, as cólicas voltaram e com muito mais dores. Tenho que dizer que foi de facto difícil. E eu só dizia ao meu marido: “Para a próxima engravidas tu, está bem??” As cólicas iam e vinham, e eu contrariei as dores com Ben-u-rons. Benditos sejam, que em certas alturas foi muito complicado.
Um dia depois da expulsão, fui à consulta que já tinha marcada na MAC, e o médico confirmou que o feto já tinha saído e que agora restavam pedaços esfarrapados de placenta. Ou seja, foi isso que o meu corpo esteve a expelir nos quatro dias seguintes, e com muito mais dores do que as do primeiro dia.

Quando terminam as hemorragias?
Há mulheres que ao fim de uma semana já pararam de sangrar. Não foi o meu caso. Para mim, as hemorragias não pararam aí, felizmente as dores assim, e restou apenas aquela moinha já mais familiar.
Durante muitos dias, talvez uma semana ou duas, todo o meu baixo ventre esteve muito sensível, tinha até dificuldade em estar sentada, fiquei quase todo o tempo deitada e andava devagar. Duas semanas depois daquela consulta, fiz mais uma consulta, em que o médico confirmou que já não havia vestígios de placenta, e restavam apenas alguns coágulos de sangue no colo do útero. Os ovários também estavam bem.
Mas a hemorragia (não forte como naqueles cinco dias, claro) continuou durante muito tempo. Foi como se tivesse tido um período de 5 semanas. Cada vez mais leve, e mesmo quando pensava que já tinha parado, ainda voltei a ter uma hemorragia, em plena rua, quando passeava nos primeiros dias de férias que tive para pôr para trás os momentos difíceis e recomeçar.
E pronto, a limpeza estava finalmente terminada, e agora era aguardar a vinda do primeiro período.

11 comentários:

Anónimo disse...

Ola!
Gostei bastante do teu blog... e foi muito importante lê-lo no momento que soube que tinha um aborto retido.
Às 11 semanas de gestação foi quando descobri que iria abortar pois o embrião não se desenvolveria mais que as 8 semanas. As dores foram horríveis e a hemorragia foi tão grande que nunca pensei que pudesse perder tanto sangue assim. No hospital foi tudo a sangue frio e não houve nada pior na minha vida por que tivesse passado. Não o desejo a ninguém. Mas já estou em casa e a dor agora apenas é psicológica. Provavelmente isto tudo se deveu a uma infecção vaginal que tinha. Vou voltar a engravidar assim que puder, terei as consultas de pré-concepção na esperança que para a próxima tudo corra bem.
beijinhos!!
Felicidades!!

anasofia.monteiro@gmail.com

Ana Luiza disse...

oi tenho 17 anos e tive um aborto no ano passado, minha medica me disse que seria um aborto retido ,mas eu nao senti dores nenhuma agente so foi descobrir isso no ultra som quando deu que o mediconao conseguia ver o coraçaozinho batendo.
Gostaria de saber o que poderia ter me causado esse aborto, tbm com quem posso conseguir ajuda online pois ja vai fazer um ano que isso aconteceu e ate hoje nao me conformo e quando vejo alguma mulher gravida choro mto e sinto mta falta nem sei de que...qualquer coisa se alguem tiver uma resposta me envie por favor no msn analuiza-gata@hotmail.com

terezajoseli@yahoo.com.br disse...

Oi,

Oi tenho 37 anos e acabei de passar pelo meu segundo aborto retido esta sendo muito difícil tenho medo de nunca conseguir realizar o sonho de ser mãe. Também aconteceu comigo na primeira vez que engravidei no final do ano passado uma colega também engravidou acompanhei toda gravidez dela sabendo que também não mas viveria o meu momento pois com 6 semana e dois dias eu perdi meu bebezinho através de um aborto retido tive que fazer uma curetagem foi muito difícil. Mas para minha amiga correu tudo bem e hoje ela vive a experiência de ser mãe de bebe lindo. No inicio desta semana descobri que estaria passando pelo segundo aborto retido desta vez cheguei a 8 semanas e 1 dia o medico colocou um remédio similar ao cytotek não lembro o nome do remédio que ele colocou e também sentir dores terríveis nunca imaginei que pudesse suportar tanta dor. muitas pessoas me falaram que seria a dor parto só que um parto sem bebe. Estou tentando me recuperar mas gostaria muito de saber o porque que isto acontece. Sou uma saudável não tenho vícios não tenho uma desregrada enfim tanto eu como meu marido teríamos tudo para um ter um bebezinho sem maiores problemas não consigo entender. Falei com meu médico e daqui a 30 dias daremos inicio a uma serie de exames para descobri a causa.

Anónimo disse...

olá
eu acabei de passar por um aborto retido, e não tem sido fácil....
fiquei a saber no dia 26 d Agosto depois de ver o meu bébé no ecrã na eco todo formadinho, disseram que não tinha batida cardiaca, naquele momento só quis morrer,e depois fiquei parva quando me disseram que tinha de aguardar que o meu organismo expulsasse o bébé, o simples de facto de eu saber que já não ia ser mãe e que teria de carregar no meu ventre um filho morto entrei em pânico.
No fim da semana comecei a ter dores na barriga e fui ás urgencias do hospital o qual me internou, pois tiveram de provocar o aborto...foi horrivel... as dores são .....nenhum medicamento me fazia efeito, até que ao fim 4 horas e meia expulsei o bébé, senti-me péssima... depois fiquei com mais dores e cheia de hemorragias eu deitava muitos coágulos e tive até ás 2.30 da manhã para decidirem que tinha de fazer a curetagem pois eu já não aguentava com as dores e estava a deixar-me ficar, entretanto fizeram exames pois com o sangue que eu estava a perder corria o risco de ter de fazer uma transfusão de sangue, resultado fiz a curetagem com anestesia geral, saí do hospital um dia depois,e mandaram que eu descansa-se...
Hoje ainda sangro um pouco já lá vão quase 2 semanas e de vez enquando tenho umas dorzitas, mas fiquem a saber que nem tudo é como os médicos dizem, existe sempre dor.
beijinhos a todas e voltem aos treinos assim que puderem

Anónimo disse...

OI!
me esclareceu muito todo o seu texto... porém me aconteceu uma coisa que ainda nao consegui entender, vou te explicar: eu perdi meu nenem de um mes de gestação faz 30 dias, minha menstruação veio ontem (um mês completo após o aborto), acabei de ir no banheiro e desceu no meu absorvente uma coisa branca, comprida e rígida no tamanho de 4 a 5 centímetros mais ou menos, eu fiquei assustada e com muito medo, pois eu achei que estava tudo bem pelo fato do sangue ter parado e a dor passado, não fiz curetagem, recebi instruções da minha ginecologista na época tomei todo medicamento e fiz a ultima transvaginal há um mês também, não voltei no retorno pois o exame se mostrou tudo bem e tive que fazer uma viagem. Me recorro neste momento a vocês amigos que possam trocar experiências que ja teêm, pois só poderei voltar a cansulta dentro de dois dias e vejo o caso como urgência.
Agradeço pela atenção até aqui!
se quizer me ajudar meu email é esse: meldream@windowslive.com

Anónimo disse...

Olá, sou Débora tenho 28 anos e estou passando pelo segundo aborto, o primeiro foi as 22 - 23 semanas de gestação, experiencia terrível, pois td corria bem meu bebe um menino não tinha problema algum fui fazer um ultra de rotina e simplimente não tinha batimentos, passei por uma indução no hospital e após 12 horas dolorosas o parto ocorreu, pois necessitava de dilatação....agora passo pelo segundo mas com 10 semamas, ainda não sinto dores...mas espero que não demore, não é tão doloroso qto o outro mas sempre bate aquela triteza, a única coisa que conforta é que tenho uma filha de 3 anos e sei que poderei engravidar outra vez.

Força para todas.

bju

ana disse...

eu ana 23 anos as onze semanas fui fazera 1ºeco e descobri que o bebe nao tinha batimentos e dirigir me a maternidade depois de atr a espera o medico deu me um comprimido miferine para começar a sangrar e assim foi no outro dia fui la e deram me 4 msoprostol e passado um bnocado tive uma hemorragia e depois passado quatro horas diminuiu a tarde vim embora e tomei mais 4 misoprostol passado tres dias de muitas dores fui a casa de banho e deu me uma contraçao eu poxei e saiu uma bola de sangue grandinha e nao tive coragem de ver mas dizeram me que era o bebe passado tres dias eu sinto me bem mas triste e tou a espera da consulta para ir ver se expulsei tudo mesmo

Catarina disse...

olá,

Hoje já sinto ter forças para falar do que se passou comigo...Quando fui fazer a eco das 12 semanas descobri que o meu bebé tinha para do evoluir a partir das 9 semanas. A dor que sinto é intensa e pergunto-me porque tinha que acontecer comigo?
Tomei cytotec a conselho do médico e esperei ter umas dores como se fossem de período, assim ele me disse... É claro, que me sinto mto desiludida com ele, pois o que se passou foi que tive uma forte hemorragia, dores/contrações durante dois dias e acabei internada no hospital, onde finalmente expeli o meu bebé! Patilho esta minha experiência pois acho necessário desmitificar a ideia de que tudo é normal, como os médicos tanto gostam de nos fazer crer...Um aborto de um filho desejado não é normal, as dores de parto pelo que passei não são umas dores comparáveis às da mestruação, a anemia com que estou não é uma coisa normal, como também não é perder litros de sangue durante mais de 6 horas seguidas!Considero que nos tratam como animais, e não como seres humanos quando nos dissem que é tudo normal, a normalidade só pode ser assim considerada por quem nunca passou por um aborto! Neste momento doí-me a alma, o corpo é o menos, mas esta vivência de certo que nunca a vou esquecer, por isso a partilho aqui com vocês!

Karina disse...

Olá! Cada caso é um caso mesmo.
Já passei por este triste acontecimento também. com 14 semanas fui fazer a ecografia que diria qual era o sexo do meu bebe. Estava muito feliz com meu marido, iamos gravar. Quando o médico começou a eco logo percebi algo de errado no monitor ,não havia os batimentos... Foi um choque!
Não tomei nada para expelir o embrião. Fiquei internada para fazer curetagem. Todos diziam que ia doer muito, como se fossem contrações, Mas, graças a Deus, não senti dor alguma, nem antes nem depois do procedimento. Isso já faz um ano, e somento agora consigo falar sobre o ocorrido. Os médicos não me deram explicação alguma, disseram que foi fatalidade.
Agora sinto que já estou pronta para engravidar novamente.
Felicidades a tds!!!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.